PROGRAMA BALADA DA FADA

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Economia no condomínio

*Hubert Gebara

Chegou a hora de prever (e prover) a saúde financeira do condomínio face às despesas do segundo semestre, durante o qual incidem décimo-terceiro salário e dissídio coletivo.
As despesas não são, entretanto, apenas sazonais. Uso racional de água e energia elétrica, manutenção dos equipamentos e estratégias visando reduzir a inadimplência mostram-se armas importantes para atingir esse objetivo durante todo o ano. Quando bem escolhida, a administradora é fator de economia. Ela está apta a fazer a previsão orçamentária com melhores contratos, compra de material, negociação com empresas terceirizadas, seleção de funcionários, controle do gasto de água, luz e material de limpeza. O que é pago é revertido em economia. A administradora deve ter funcionários capacitados, boa estrutura e tecnologia de última geração.

Responsáveis por cerca de 50% das despesas ordinárias de um condomínio, mão de obra e encargos merecem especial atenção. O primeiro passo é evitar horas-extras. A água representa a segunda maior despesa do condomínio. A principal ação para economizar essa preciosa commodity é a conscientização dos moradores e funcionários.

Válvulas redutoras de pressão e modelos de vasos sanitários que consomem até 6 litros por descarga são mudanças significativas. Nas áreas comuns, recomenda-se não utilizar as mangueiras como vassoura hidráulica.

No chamado primeiro mundo, é muito rígido o procedimento visando a economia de água e outros recursos. Há uma rotina de comedimento e lá não se consolidou a nossa tão brasileira cultura do chafariz.

O Secovi-SP tem lançado manuais de uso racional da água, energia elétrica, de áreas comuns e prevenção de incêndio, entre outros, para orientar síndicos e todos aqueles que moram ou trabalham nesses comunidades. Economia no condomínio é meta impossível se não houver apoio voluntário de todos. Temos de seguir o exemplo do primeiro mundo também com relação às assembleias. Elas são o legítimo fórum para a questão das despesas. No Brasil, infelizmente, as assembleias dão ibope apenas quando há sorteio de vagas na garagem ou elevação da taxa condominial.

*Hubert Gebara é vice-presidente de Administração Imobiliária e Condomínios do Secovi-SP (Sindicato da Habitação)

Fonte: Andressa Ferrer- Secovi

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aqui você poderá fazer suas denúncias e comentários.
Se você recebeu algum comentário indevido. Utilize-se deste canal para sua defesa.
Não excluiremos os comentários aqui relacionados.
Não serão aceitos comentários com palavras de baixo calão ou denúncias infundadas. Aponte provas caso queira efetuar suas denúncias, caso contrário, seu comentário será removido.