PROGRAMA BALADA DA FADA

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

Ocupação urbana sem controle vem da época do Brasil colônia

Repórter Eco revela que a ocupação urbana sem controle vem da época do Brasil colônia

A região do Aquífero Guarani, em Pardinho, que fica a 200 km da capital paulista, também está em destaque no programa da TV Cultura deste domingo (20/2), às 18h

A cidade de São Vicente, litoral sul de São Paulo, repleta de belezas naturais dignas de cartões postais, abriga cerca de 320 mil habitantes e vem resistindo a todas as dificuldades que marcaram sua história. Seu passado está registrado em monumentos e lugares históricos e, em 1585, o jesuíta português Fernão Cardim escreveu: "A Vila de São Vicente foi rica, agora é pobre, por lhe fechar o porto de mar a barra antiga, e também por estarem as terras gastas e faltarem índios para cultivá-las". As transformações ambientais começaram a partir da chegada dos colonizadores e o Repórter Eco, que vai ao ar neste domingo (20/2), às 18h, na TV Cultura, traz uma reportagem que serve de alerta para conter o velho problema da ocupação urbana sem controle.



Grande parte dos turistas que visitam suas praias durante o verão nem imaginam a importância dessa cidade de 479 anos, que foi o primeiro povoado brasileiro. A história do Brasil começa com a chegada da esquadra de Pedro Álvares Cabral em Porto Seguro, Bahia, em 22 de abril de 1500. Eles permaneceram apenas onze dias ali e partiram numa segunda expedição comandada por Gaspar de Lemos e Américo Vespúcio, em 22 de janeiro de 1502, chegando ao local que era conhecido, até então, como Borraió e deram à ilha o nome de São Vicente.
Em 1942, a cidade viveu seu pior desastre natural. Considerada uma das primeiras tragédias da costa brasileira, ficou conhecida como a “Grande Ressaca”, quando o mar invadiu a vila e esta teve de ser reconstruída duzentos metros acima do local original. O historiador Marcos Braga, coordenador da Casa Martim Afonso, fala dos sinais de esgotamento devido à ação de assoreamento e modificação da linha de maré. “Este é mais um exemplo da longa tradição brasileira de uso inadequado do solo, começando pela retirada da vegetação nativa que protegeria a costa". As imagens atuais mostram que a ocupação foi rápida: hoje as construções tomam o espaço de toda a orla da baía, bem perto do mar.
De outra matéria do programa vem uma reportagem feita em Pardinho, região do Aquífero Guarani, que fica a a 200 quilômetros da capital paulista. O lugar é considerado um dos maiores reservatórios subterrâneos de água doce do mundo. Daí afloram várias nascentes, entre elas o rio Pardo, o principal curso d'água e mais importante recurso hídrico da região, além de ser uma parte importante da sub-bacia do Paranapanema. Para despertar a sensibilidade e construir uma base visando proteger essa fonte de água, jovens da comunidade se embrenham na mata, em uma ação promovida pelo projeto do instituto Jatobás – organização não-governamental, que promete oferecer conhecimento para a construção de um caminho coletivo, solidário e sustentável.
E da Hidrelétrica de Itaipu (PR) vem um trabalho de cultivo de plantas medicinais que também gera energia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aqui você poderá fazer suas denúncias e comentários.
Se você recebeu algum comentário indevido. Utilize-se deste canal para sua defesa.
Não excluiremos os comentários aqui relacionados.
Não serão aceitos comentários com palavras de baixo calão ou denúncias infundadas. Aponte provas caso queira efetuar suas denúncias, caso contrário, seu comentário será removido.