PROGRAMA BALADA DA FADA

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

SUS oferta tratamento a 97% dos brasileiros diagnosticados com Aids

Relatório divulgado nesta segunda-feira (21) elogiou o modelo brasileiro de prevenção e tratamento do HIV/Aids


O Sistema Único de Saúde (SUS) oferece tratamento antirretroviral a 97% dos brasileiros diagnosticados com Aids, aponta relatório divulgado nesta segunda-feira (21) pela Unaids (Programa Conjunto das Nações Unidas sobre o HIVAids).

No estudo, a Unaids apontou que o modelo brasileiro de prevenção do HIV e assistência brasileiro é um dos melhores do mundo, sobretudo no tratamento a populações mais vulneráveis. O documento analisa dados sobre mortalidade e aporte de recursos para conter o avanço da aids no mundo e aponta que o Brasil tem investido de forma adequada nos mecanismos de prevenção e tratamento do HIVAids.

Durante a divulgação do relatório, o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, destacou que apesar dos avanços, o Brasil ainda enfrenta o desafio de despertar uma nova atitude com relação à doença, principalmente entre os mais jovens.

“Apesar de as pesquisas indicarem que 95% das pessoas têm consciência que a camisinha é a melhor maneira de se prevenir da Aids e de outras DSTs (doenças sexualmente transmissíveis), temos de estimular a população a colocar esse cuidado em prática”, destacou. A Pesquisa de Comportamento, Atitudes e Práticas Relacionadas às DST e Aids (PCAP 2008) apontou que, entre os jovens de 15 a 24 anos, o uso da camisinha cai de 61% na primeira relação para 50% nas relações sexuais com parceiros casuais.

Para o diretor da Unaids no Brasil, Pedro Chequer, o êxito brasileiro se deve ao fato do Brasil ter encampado o tema da Aids como política de Estado. Como desafio, ele destacou a necessidade de “reduzir as desigualdades regionais no acesso a ações de prevenção, diagnóstico e tratamento”.

Na América Latina, desde 2001, estima-se que haja 100 mil novas infecções por HIV ao ano, mas a epidemia está estabilizada, com prevalência de 0.4. O relatório também apontou que os óbitos relacionados à aids estão em declínio, por conta do acesso cada vez maior à terapia antirretroviral.

Há 1,5 milhão de pessoas vivendo com HIV no continente latino-americano enquanto em 2001 o número era de 1,3 milhão. O aumento, no entanto, de acordo com o diretor da UNAIDS, deve-se basicamente à eficiência do diagnóstico precoce.

No caso brasileiro, o diagnóstico precoce por meio da estratégia Fique Sabendo, do Ministério da Saúde, foi destacado por Padilha como ferramenta importante para, a partir da descoberta da doença, iniciar o tratamento adequado imediatamente.

O teste rápido do Fique Sabendo pode ser feito nos Centros de Testagem e Aconselhamento (CTA). Antes e depois do exame, a pessoa passa por orientação, com o objetivo de facilitar a interpretação do resultado. O teste deve ser feito no mínimo 30 dias após a situação de risco. Se o resultado for positivo, a pessoa pode fazer acompanhamento nos serviços de saúde e começar o tratamento no momento mais adequado. Esse cuidado se reflete na qualidade de vida de quem vive com HIVaids.

A recomendação vale para relação sexual desprotegida (inclusive sexo oral) e uso de seringas ou agulhas compartilhadas. As mulheres que desejam engravidar são aconselhadas a conhecer sua condição sorológica. A medida pode evitar a transmissão vertical do HIV e das hepatites (de mãe para filho). Mulheres com resultado positivo que iniciam o tratamento o quanto antes têm menos chances de passar as doenças para o bebê.

CAMPANHAS – Durante a coletiva, o ministro Alexandre Padilha esclareceu a execução das campanhas de publicidade para HIVAids do ministério. “Nós tivemos uma mudança na estratégia, porque temos a avaliação, a partir do diálogo com as entidades e das pesquisas que temos feitos, de que é preciso mudar a atitude de alguns segmentos específicos”, destacou.

O ministério da Saúde deve fechar o ano com investimentos de cerca de R$ 16 milhões em campanhas de publicidade sobre HIVAids. As ações têm como foco a prevenção, a conscientização e a superação do preconceito.

Além do incremento nas ações de publicidade, cujas campanhas são veiculadas durante o carnaval e em alusão ao Dia Mundial de Luta Contra a Aids, o ministério tem apostado em iniciativas como mobilização pelas redes sociais e a participação em eventos relevantes para públicos específicos.

“Queremos reforçar a luta contra o preconceito e a discriminação. Essa é a orientação global. Talvez seja esse um dos maiores obstáculos de mudança de atitude, a luta contra o preconceito”, destacou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aqui você poderá fazer suas denúncias e comentários.
Se você recebeu algum comentário indevido. Utilize-se deste canal para sua defesa.
Não excluiremos os comentários aqui relacionados.
Não serão aceitos comentários com palavras de baixo calão ou denúncias infundadas. Aponte provas caso queira efetuar suas denúncias, caso contrário, seu comentário será removido.