PROGRAMA BALADA DA FADA

segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

Mesmo piorando o agro salva a balança comercial de colapso total em 2014

Por: Marcos Fava Neves e Rafael Bordonal Kalaki


O ano de 2014 é realmente para ser apagado na nossa história. Os indicadores de nossa economia se deterioraram fortemente, o valor da nossa moeda, retorno da inflação, o mar de lama da corrupção, grandes decepções no esporte, e o ano onde nossa população foi enganada a aceitar mais 4 anos de um Governo que entregou muito aquém das possibilidades.

Neste quadro de derrotas da sociedade brasileira, o agro de 2014 voltou a nos salvar de um colapso, pois o desempenho das exportações foi extremamente positivo, trazendo US$ 96,8 bilhões ao Brasil, mas o agro também perdeu: este valor foi 3,2% menor que o de 2013. O saldo foi de US$ 80,1 bilhões na balança comercial do agro, um valor também 3,3% menor que 2013.

Corroborando a difícil situação da economia brasileira, os demais produtos brasileiros fora do agro apresentaram queda de 9,7% nas exportações de 2014 (US$ 142,1 bi em 2013, para US$ 128,4 bi em 2014) e com esta queda, a participação do agro nas exportações brasileiras cresceu quase dois pontos, atingindo incríveis 43% do total.

Como a balança comercial brasileira, após seguidos anos de superávit, fechou 2014 negativa em quase US$ 4 bilhões, mais um pífio resultado entregue por esta gestão, se não fosse o agro, o Brasil teria um déficit de US$ 84 bi, estourando a inflação, acabando com o real e espalhando miséria. Mais um em que o agro salvou a economia brasileira, permitindo crescimento sustentável e distribuição de renda, programas sociais, inclusão, apesar de continuar sendo demonizado por parte dos ditos “movimentos sociais”, que preferem perpetuar o atraso e a miséria.

Os 10 produtos que mais contribuíram no aumento das exportações em relação a 2013 foram respectivamente: café verde (aumentou US$ 1,46 bilhão em relação a 2013), soja em grãos (US$ 465,1 milhões), carne bovina in natura (US$ 435,6 mi), couros/peles bovinos preparados (US$ 250,7 mi), algodão não cardado nem penteado (US$ 250,1 mi), carne suína in natura (US$ 219,2 mi), farelo de soja (US$ 213,4 mi), leite em pó (US$ 205,3 mi), outros couros/peles bovinos curtidos (US$ 205,2 mi) e celulose (US$ 112,5 mi). Estes 10 ganhadores foram responsáveis por um aumento de aproximadamente US$ 3,8 bilhões nas exportações do agro de 2014.

Os 10 principais produtos que diminuíram as exportações em relação a 2013 foram: milho (queda de US$ 2,37 bilhões), açúcar de cana em bruto (US$ 1,71 bi), álcool etílico (US$ 970,9 milhões), fumo não manufaturado (US$ 740,1 mi), açúcar refinado (US$ 669,6 mi), suco de laranja (US$ 329,3 mi), trigo (US$ 247,3 mi), óleo de soja em bruto (US$ 216,4 mi), carne de frango in natura (US$ 110,9 mi) e café solúvel (US$ 86,4 mi). Juntos estes produtos contribuíram para a redução nas exportações comparadas com 2013 na ordem de US$ 7,46 bilhões.

Os 10 principais países que mais cresceram suas importações do Brasil em 2014 foram: Rússia (US$ 899,1 milhões a mais que 2013), Alemanha (US$ 828,6 milhões), Vietnã (US$ 427,4 mi), Venezuela (US$ 413,3 mi), Índia (US$ 358,0 mi), Turquia (US$ 262,7 mi), Hong Kong (US$ 243,0 mi), Tailândia (US$ 212,8 mi), Itália (US$ 197,3 mi) e Indonésia (US$ 139,8 mi). Juntos, foram responsáveis pelo aumento de US$ 3,9 bilhões nas exportações. Por este números se percebe como o embargo russo às importações vindas dos EUA e Europa nos beneficiou.

O Brasil também perdeu vendas em alguns mercados, com destaque para Países Baixos (US$ 911,4 milhões a menos que 2013), China (US$ 815,9 mi), Coréia do Sul (US$ 717,9 mi), Japão (US$ 629,0 mi), Arábia Saudita (US$ 403,4 mi), Taiwan (US$ 372,7 mi), Marrocos (US$ 269,1 mi), África do Sul (US$ 240,6 mi), Ucrânia (US$ 232,8) e Colômbia (US$ 224,5 mi).

O que esperar para 2015? Temos o estímulo do clima e do câmbio, que parecem melhores, e os plantios foram bons. O petróleo mais barato também estimula o consumo das famílias no mundo, podendo refletir nos mercados de alimentos e até recuperação de preços das principais commodities puxados pelo consumo. Com estes impactos e quem sabe uma volta do crescimento da China nas importações do agro brasileiro, possamos finalmente em 2015 passar dos US$ 100 bilhões em exportações. Quem sabe um novo Governo tenha estímulo e possa despertar e contribuir na redução do custo Brasil, contribuindo com as exportações e a consequente geração e distribuição de renda.

Até o agro piorou neste tenebroso 2014, mas mesmo assim nossos produtores merecem amplo agradecimento da sociedade por nos salvarem de uma situação que seria muito pior que a observada sem a sua existência.


Marcos Fava Neves é Professor Titular da FEA-USP, Campus de Ribeirão Preto (favaneves@gmail.com)

Rafael Bordonal Kalaki é pesquisador da Markestrat (rkalaki@markestrat.org)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aqui você poderá fazer suas denúncias e comentários.
Se você recebeu algum comentário indevido. Utilize-se deste canal para sua defesa.
Não excluiremos os comentários aqui relacionados.
Não serão aceitos comentários com palavras de baixo calão ou denúncias infundadas. Aponte provas caso queira efetuar suas denúncias, caso contrário, seu comentário será removido.