PROGRAMA BALADA DA FADA

segunda-feira, 9 de maio de 2016

Insegurança alimentar severa no Brasil é inferior a 0,5%, aponta FAO



Experiência brasileira em formatar indicador foi modelo para organismo internacional desenvolver Relatório Vozes da Fome, que avaliou 146 países

O Brasil é um dos oito países do mundo em que a insegurança alimentar severa, onde a privação de alimentos é grave, é inferior a 0,5% de sua população de 15 anos ou mais de idade. O dado consta do relatório Métodos para estimar taxas de prevalência comparáveis de insegurança alimentar entre adultos do mundo, do projeto Vozes da Fome, da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), lançado em abril.


O documento aponta que Azerbaijão, Bielorrúsia, Butão, China, Israel, Suíça e Tailândia estão na mesma situação que o Brasil. Na Noruega, a insegurança alimentar severa atinge a 0,6% da população, enquanto que, na Dinamarca e Alemanha, o índice é de 0,7% e, nos EUA, é de 1,2%.

O trabalho foi feito pelo Instituto Gallup, junto a 160 mil pessoas em 200 línguas diferentes em 150 países. Para sua elaboração, foi utilizada uma única ferramenta de pesquisa junto aos países desenvolvidos e em desenvolvimento. O questionário avalia se a pessoa, nos últimos 12 meses anteriores ao contato, tiveram dificuldade de acessar alimentos e, se sim, se o motivo é por falta de renda ou outros recursos.

A pesquisa teve por modelo a Escala Brasileira de Insegurança Alimentar, desenvolvida pelo Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) e pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). “O Brasil foi pioneiro no uso deste instrumento, sendo seguido depois pelos Estados Unidos”, destacou, no ano passado, Carlo Cafiero, economista da Divisão de Estatística e Análise sobre Segurança Alimentar da FAO. Para ele, o trabalho conjunto de MDS e IBGE demonstrou a forte relação entre as instituições do governo, preservando autonomia e neutralidade na geração das informações.

Superação – A ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Tereza Campello, conta que, a partir de 2004, o governo brasileiro assumiu o problema da fome como uma agenda central para o Brasil e desenvolveu um conjunto de políticas que permitiram que o país pudesse realmente alterar de forma estrutural a realidade das pessoas. De acordo com ela, o objetivo era alterar efetivamente a vida dessas pessoas, acabando com a dependência da doação de alimentos.

E a garantia do acesso à renda para milhões de brasileiros foi fundamental. “Não existia a fome no Brasil por não haver alimentos. Tinha fome no Brasil porque as pessoas não tinham renda. Então, assumir o combate à fome e à pobreza como prioridade do governo e, a partir daí, ampliar a renda das famílias com aumento do salário mínimo, geração de empregos, Bolsa Família e outras políticas de geração de renda permitiu que essas famílias tivessem acesso a alimentos que já eram produzidos no Brasil. O governo conseguiu dessa forma criar uma nova realidade.”

A ministra aponta que ainda existem desafios, principalmente junto aos povos e comunidades tradicionais, como comunidades indígenas, ribeirinhas e quilombolas. “O Brasil avançou muito, mas ainda há muito a fazer. Não podemos descansar enquanto houver um brasileiro em situação de insegurança alimentar. Precisamos avançar e ampliar o acesso à alimentação saudável e avançar também no desenvolvimento de políticas específicas para públicos com características muito peculiares, como é o caso dos indígenas.”

Para isso, afirma Tereza, é necessária a colaboração dos governos - municipais, estaduais e federal - e das entidades da sociedade civil. “Só tem uma forma de a gente continuar avançando no Brasil: com políticas públicas, transparência, participação e com controle social. Os nossos conselhos de segurança alimentar e nutricional [Consea federal, dos estados e dos municípios] têm de continuar ativos e participantes para que a gente avance cada vez mais, não apenas superando a desigualdade, mas melhorando a qualidade da alimentação da população.”

Planejamento – Na última quinta-feira (5), a Câmara Interministerial de Segurança Alimentar e Nutricional (Caisan) aprovou o 2º Plano Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (PlanSAN), principal instrumento de planejamento, gestão e execução das ações para o período de 2016 a 2019.

O PlanSAN é comp osto por nove desafios, 121 metas e 102 ações, tendo como principais diretrizes a promoção de hábitos alimentares mais saudáveis e adequados pela população brasileira e o combate à insegurança alimentar em grupos populacionais específicos. Outra diretriz importante é controlar e prevenir os problemas decorrentes da má alimentação, como a obesidade e o sobrepeso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aqui você poderá fazer suas denúncias e comentários.
Se você recebeu algum comentário indevido. Utilize-se deste canal para sua defesa.
Não excluiremos os comentários aqui relacionados.
Não serão aceitos comentários com palavras de baixo calão ou denúncias infundadas. Aponte provas caso queira efetuar suas denúncias, caso contrário, seu comentário será removido.